elenao-rifferama

Artistas têm o dever de se manifestar sobre política, sim*

*Revisão e pesquisa: Marina Luíza

A polarização que chegou ao seu auge durante as eleições deste ano teve reflexos, também, no cenário musical. A pergunta que muita gente se faz é a seguinte: os artistas devem tomar partido? Angela Daves, filósofa e ativista, diz que “o profundo papel do artista é colocar uma nova consciência”. A arte é a linguagem legítima para se chamar atenção. Estamos no país que mais mata LGBTs no mundo e Santa Catarina teve a maior média (65%) de eleitores a favor do adversário de Fernando Haddad. Por isso, a resposta é sim: fazer música é um ato político


Leia mais: As mulheres negras na construção de uma nova utopia, por Angela Davis

Os artistas devem se posicionar politicamente?


Aqui no estado tivemos dois casos emblemáticos da reação que pode causar quando convicções são expostas ao público. O compositor John Mueller, de Blumenau, conheceu o lado opressor dos seguidores do candidato fascista. Bastou aderir à campanha #elenão que choveram centenas de comentários agressivos. A reação pode ser considerada normal, infelizmente, pois a sua cidade registrou 71% dos votos para o representante do PSL.

Por outro lado, a Ponto Nulo no Céu confirmou que os seus fãs fizeram o dever de casa. No comunicado postado nesta segunda-feira (22), que teve mais de 1,6 mil curtidas e cerca de 170 compartilhamentos, a esmagadora maioria das interações corroborou o texto que diz “a mensagem é simples: somos pelo bem coletivo e pela preservação da diversidade de ideias que só têm a enriquecer nossas vidas”. Não esperava outro posicionamento.

Também tivemos contribuições importantes em forma de música. O rapper Cal Will, de Criciúma, lançou no dia 9 o verso livre “FaSCismo #elenao”. Do rap também veio “Manifesto não é hit”, do grupo Panorama Inverso. A dupla Kia Sajo e Ian Fabris gravou a urgente “Entre linhas” (que obra!). A última a sair foi “Notícias tuas”, dos Gambitos, disponibilizada no fim da noite desta quinta-feira (25).

A decisão é sua. Vote consciente.

“É uma obrigação artística refletir o meu tempo”, Nina Simone

Arte: Ricardo Vilela

Nasci em Blumenau, mas fui criado em Biguaçu, cidade em que vivi até os 28 anos: hoje moro em São José. Sou jornalista, me formei na Estácio de Sá e trabalhei no jornal Notícias do Dia, a minha casa entre 2009 e 2016, entre indas e vindas. Escrevia sobre esportes no impresso, mas sou apaixonado por música, a melhor invenção do homem.

DEIXE UM COMENTÁRIO.

Your email address will not be published. Required fields are marked *