cerejaazul-rifferama

Cereja Azul: Músico catarinense lança álbum com sonoridade de videogames retrô

Arte: Danielle Lemes

A música está no sangue do compositor Lui Barbosa Almeida. Neto de poeta e filho de cantora, o multi-instrumentista foi guitarrista da Besouros da Praia e também integrou o Polyphonia Khoros. Mas é com o Cereja Azul, seu projeto solo (e quase secreto) desde 2007, que o artista se realiza. Em janeiro deste ano, Lui lançou o quinto trabalho autoral, o ousado “電子合唱 – 青桜 –”, algo como Coral Eletrônico Cereja Azul em japonês. Com o auxílio de programas de computador (Finale e Reason), o músico conseguiu gravar alguns arranjos que fez para coro ou pequenas orquestras. A sonoridade obtida remete às trilhas dos videogames 8 bits, que serviram de inspiração para o compositor.

– Estou sem equipamento de gravação, mas não deixo de trabalhar. Para não ficar sem publicar nada, passei esses arranjos por uns programas que manipulam essas ondas, sintetizadores digitais mesmo. Estudei as trilhas do Master System e do NES para fazer esse disco. Escutei muito os três Sonic, pois são jogos de maturidade do 8 bits da Sega.

Além de músicas próprias, o artista criou releituras para composições do Expresso Rural, uma inédita da Besouros da Praia, da Apanhador Só e também do Arnaldo Antunes. “Lavar as mãos”, presente na série Castelo Rá-tim-bum, é o ponto alto da nostalgia que o material provoca durante a audição. O mais surpreendente, segundo Lui conta ao Rifferama, é que os arranjos não foram elaborados para esse formato.

– “Circo” foi a única música composta especificamente pensando nesse formato. O resultado me impressionou. A máquina tem personalidade. É bem melancólico. “Lavar as mãos” é um arranjo coral que eu imagino que nunca ouvirei com vozes de verdade, mas o coro eletrônico materializa algo, estetiza. Esses instrumentos virtuais nunca desafinam, diferente das músicas analógicas da Cereja Azul. É como se 青桜 e Cereja Azul fossem contrários.

Nasci em Blumenau, mas fui criado em Biguaçu, cidade em que vivi até os 28 anos: hoje moro em São José. Sou jornalista, me formei na Estácio de Sá e trabalhei no jornal Notícias do Dia, a minha casa entre 2009 e 2016, entre indas e vindas. Escrevia sobre esportes no impresso, mas sou apaixonado por música, a melhor invenção do homem.

Um comentário

  1. Uaaaaaaaaaaaaaauuuuu.. Que matéria MASSA!!!!!! Incrível as possibilidades de diálogos que a música propicia, né? Música é o único idioma verdadeiramente Universal que existe, não há quem não consiga se comunicar musicalmente, em todo e qualquer outro idioma. Muito orgulho de ter esta ligação uterina, espiritual e musical ctgo, meu filho! Comecei a crescer depois que tu chegou e agora eu te sigo pq é tu que sabe onde fica o final do arco-íris com o potão de ouro! Te amo. <3

    Daniel, parabéns pela bela matéria!

DEIXE UM COMENTÁRIO.

Your email address will not be published. Required fields are marked *