pauloandre-rifferama

Organizador do Abril Pro Rock confirma Red Razor para 2020*

*por Marcos Espíndola

Senta aí que lá vem papo e dos bons. Por isso, não cabe aqui desatar uma cantilena de argumentações neste abre para introduzirmos ao universo do presente entrevistado: Paulo André Moraes Pires. Ou simplesmente e totalmente Paulo André, uma entidade da música nacional, criador do festival Abril Pro Rock, de Recife, um dos caranguejos com cérebros e motores do movimento Manguebeat, que sacodiu o Brasil naqueles efervescentes anos 1990 e nos apresentou Chico Science e Nação Zumbi, Mundo Livre S/A, Devotos e toda a sorte de mudanças estéticas, artísticas e culturais que vieram no pacote daquela “virada de mesa”.

O primeiro contato com Santa Catarina foi em 1998, quando levou para o Abril Pro Rock a banda Stonkas e Congas, de Florianópolis. Anos depois passou perto, pela BR-101 quando levava uma banda para tocar em Porto Alegre. Só sentiu a vibração do solo neste ano, mais precisamente agora em setembro, quando veio a convite do Festival de Música de Itajaí e numa breve pernada em Florianópolis para o lançamento do TUM Sound Festival – que também se fará presente em outubro para participar de painel e das rodadas de negócios.

Se disse muito feliz por chegar no momento certo, de efervescência do cenário da música brasileira (“É a melhor resposta que a música brasileira poderia dar a essa situação de vergonha internacional ao qual o Brasil está passando”), dos festivais e especialmente em Santa Catarina – “eu vejo aqui aquele mesmo sentimento de virada de mesa que eu vivi nos anos 90 lá em Pernambuco”. Querido, simples e sem meias-palavras, Paulo André conversou sobre muita coisa: mercado, resistência, conexões, cena musical e até nos presenteou com uma boa nova: a escalação da banda metaleira Red Razor, de Floripa, para a 28ª edição do Abril Pro Rock, em 2020. Depois de sete anos (Somato tocou em 2012), Santa Catarina se fará presente naquele palco cobiçado, mas com o devido barulho e responsa: “eles são a nossa aposta!”.

Muito foi dito por ele para o deleite de vocês. E muito já nos estendemos por aqui. Fica o registro do agradecimento à parceria entre o site TUM Sound Festival e o portal Rifferama na publicação desta entrevista porrada, véio!

Marcos Espíndola – Quando se fala em música de Santa Catarina quais as tuas impressões? O que chega até você?

Paulo André – Cara! Para ser muito honesto, em 1998, a gente levou os Stonkas e Congas (banda de reggae de Florianópolis) para o Abril Pro Rock. O que sempre se ouvia falar em Santa Catarina era o Dazaranha e parecia que não havia vida depois deles – com todo o respeito à banda, uma banda daqui que conseguiu se projetar para fora. Mas cara, eu estou muito impressionado que eu estou em Itajaí, no festival de música da cidade que acontece há mais de 20 anos. Eu dei uma oficina lá e fiquei impressionado com o interesse de um público em se tornar produtor, empreendedores da música, e fico muito feliz também em ver uma conferência como o TUM. Porque essas conferências são basicamente as pessoas certas, no lugar certo, na hora certa. Eu divido a música em duas: a que paga jabá e a que não paga jabá. A gente tá falando aqui de uma música brasileira que não paga jabá, mas ao mesmo tempo ela é reconhecida no mundo inteiro! Neste momento, no mês setembro, nas paradas de world music da Europa, que é a World Music Charts Europe, tem três artistas brasileiros entre os mais tocados: a Dona Onete, do Pará, é a número 1, a cantora baiana Luna está em décimo lugar e uma coletânea de músicas do Pará chamada Jambu (E Os Míticos Sons da Amazônia) em décimo-quarto lugar. É a melhor resposta que a música brasileira poderia dar a essa situação de vergonha internacional ao qual o Brasil está passando.

Marcos Espíndola – Então, já que você citou a questão dessas conferências de música, que é também é um fato novo que se consolida neste momento no cenário musical do país. Como você enxerga esse protagonismo?

Paulo André – O objetivo dessas conferências é basicamente conectar. Eu estava em Itajaí e lá encontrei a Ivanna (Tolotti, idealizadora do TUM Sound Festival) e quando ela me convidou para vir (no lançamento do TUM, ocorrido em 3 de setembro) eu disse “faço questão de ir, eu estou aqui para isso, para trabalhar, e o que eu puder fazer para ajudar conte comigo”. Na ocasião eu conheci a moçada da TerrAvista (banda de Itajaí), e que nunca tinha tocado em Floripa. Aí eu disse: “vocês têm que ir, nem que seja um de vocês” e acabei trazendo a banda quase inteira. Eu havia passado quatro horas com eles dando uma consultoria, falando sobre o mercado e eu disse que eles tinham que ir para o TUM, mesmo que vocês não toquem na conferência. Não vão tocar nesse ano, mas tocam no ano que vem.

Eu faço parte da cena musical dos anos 90 de Pernambuco e assim se faz a construção de uma cena: com união, com diversidade, mas principalmente trazendo os atores nacionais e internacionais para ver nessa cidade linda e maravilhosa a música que é produzida aqui. Infelizmente o Brasil não usa a música como um vetor de atração turística. Florianópolis é um destino turístico impressionante, aparece na mídia nacional, mas sempre naquele clichê: a ponte (Hercílio Luz), as praias, as mulheres lindas. Mas nesta minha vinda a Florianópolis eu estou com um sentimento de virada de mesa, com o Festival de Música de Itajaí e agora o TUM trazendo essa galera. Eu nunca tinha vindo a Florianópolis, conheço quase 600 cidades no mundo. Eu passei por aqui de ônibus com uma banda indo para Porto Alegre. Nem paramos e agora eu venho para uma conferência, participar de rodadas de negócios, ver shows e viver a cidade durante três, quatro dias, cara. Eu fico muito feliz porque o Brasil é grande e diverso e Santa Catarina não merece esse certo isolamento que acontecia. O meu sentimento é que o TUM veio para quebrar e diminuir essa distância.

Nisso a citação aos “caranguejos com cérebros e a antena parabólica enfiada na lama” do manifesto Manguebeat, lá atrás, soa profético, não?

Marcos Espíndola – E a tua expectativa com o TUM?

Paulo André – O Fernando, da Casa da Música (complexo cultural público sediado na cidade do Porto, em Portugal, e que se estará presente no TUM Sound Festival), que é muito meu amigo, tô feliz em encontra-lo aqui e não vejo a hora de voltar a Florianópolis. Conheci os meninos do TerrAvista e perguntei se eles já haviam tocado em Florianópolis. Eles disseram que não. Eu disse “cara, o meu brother (Guilherme) Zimmer é sócio de uma casa (Jazzin) e a Ivanna está fazendo essa conferência”, então eu os apresentei. Eu vim do Recife para conectar os catarinenses, no bom sentido! Eu disse que eles têm que ir, se inscrever nas rodadas de negócios. Se não der para tocar, tem que marcar presença. E aí eu citei o post de um amigo meu baiano, o Rogério Big Brother que faz o festival Big Bands em Salvador e que é da minha geração. O festival dele acontece em alguns finais de semana diferente e ele postou algo assim: “nenhuma das bandas da cidade (Salvador) que se propuseram a tocar apareceram na primeira noite. É bom saber, porque vão continuar não tocando”. Então uma cena é feita da interação entre as pessoas, delas se unirem e se frequentarem. Não só na música. Não adianta tu teres uma banda, tu tens que conhecer os diretores de audiovisual, os grupos de dança e artes cênicas, porque todos eles precisam da música. Falo por experiência própria, a gente precisa chutar o pau (da barraca), virar a mesa para que a coisa comece.

A minha percepção nesses dias que eu passei aqui (Itajaí e Florianópolis) é que há uma cena. Todas as noites eu tô indo no Mercado Público de Itajaí ver músicos incríveis. O que é que uma faculdade de música não faz em termos de formação, não é? Mas não adianta só tu formar e ter músicos incríveis se a galera não consegue sair. Aí entra o papel de uma conferência de música, a importância de um TUM em fazer a conexão com os brasileiros e com os internacionais. E eu não tenho dúvidas de que eu vou viver grandes dias aqui agora no início de outubro.

Marcos Espíndola – E sobre o Abril Pro Rock. Como é que você o vê hoje e qual o caminho que o festival trilhará daqui para frente?

Paulo André – Cara, a gente ainda não divulgou nenhuma banda do Abril Pro Rock de 2020. A gente sempre teve um dia dedicado ao rock pesado. Dentro do universo da música pop o público do metal, do punk e do hardcore é o mais fiel. Ele não só compra o ingresso pro show, mas ele compra a camiseta, o vinil, o adesivo. Ele veste a camisa, ele paga ingresso e sai de longe para ver as bandas. Então a gente investiu em atrações internacionais de pequeno e médio porte e a gente consegue ter público de mais de 50 cidades do Nordeste que gastariam muito mais para ver a banda dos sonhos aqui no Sul e Sudeste, onde as bandas transitam mais, né? Então a gente acabou pegando essa veia desse público que é o nosso público mais fiel e assim a gente movimenta a região Nordeste.

Então eu vou soltar para você em primeira mão que a primeira banda confirmada para o Abril Pro Rock 2020, que é a nossa 28ª edição, é uma banda catarinense de thrash metal chamada Red Razor, de Florianópolis. O Alcides, meu parceiro e curador e que tem um selo, me falou sobre uma banda catarinense de thrash metal que está planejando uma turnê pelo Nordeste em novembro e me enviou uns links de discos e apresentações ao vivo. E se o festival se interessar pelo show deles eles adiariam a turnê para abril do ano que vem. E eles serão uma das nossas apostas para 2020. O importante é que está todo mundo aí produzindo.

Marcos Espíndola – Dias atrás, a banda Devotos (ex-Devotos do Ódio) foi homenageada na Assembleia Legislativa de Pernambuco pelos seus 30 anos de história. Um reconhecimento que emociona e remete a toda essa luta que vem lá dos anos 1990 e que também me fez lembrar do Chico Science e a falta que ele faz.

Paulo André – Eu lamento muito, tenho muitas saudades do Chico, não só como artista, mas como amigo. Ele era um cara que poderia contribuir muito para a música brasileira lá fora. A gente ia para a nossa primeira turnê do Chico Science e Nação Zumbi em 1995, quando o mundo inteiro ainda tinha uma percepção que o Brasil era samba, MPB e bossa nova. E a gente foi para lá com uma música que era inclassificável: era o maracatu, o coco de roda e a ciranda reprocessadas com as influências do pop, que o Chico tinha essa sacada. Mas o Otto taí, o Mundo Livre tá aí – que em 2009 fez seu primeiro show em Florianópolis, no John Bull Pub. Eu não pude vir, mas fiquei super feliz de abrir o mercado catarinense para uma banda que eu trabalhava. Eu não tenho o perfil de trabalhar com bandas tão comerciais pagadoras de “jabás”. Eu prefiro trabalhar com aquelas com trabalho autoral, que militam, mas que tenham também um potencial internacional.

Eu fico muito feliz de ver, por exemplo, um grupo de moças percussivas (se refere à grupo catarinense Cores de Aidê) e principalmente desse tema da diversidade, de estarmos juntos. Essa temática da diversidade nós levamos esse ano para o Abril Pro Rock que teve uma noite só feminina, com a Pussy Riot da Rússia, a Letrux, o Coco de Umbigada, as meninas da Arrete, 808 Crew que trouxeram o RAP da periferia, com um discurso feminista. A gente tem que acolher, cara, tem que acreditar nesse pessoal. Eu sou de uma geração que virou a mesa de duas comunidades: Peixinhos, da periferia de Olinda, de onde vem a galera da Nação Zumbi, e Alto do Zé do Pinho, do Recife, de onde Devotos, Faces do Subúrbio, Maracatu Nação Estrela Brilhante, entre outros. Até o iniciozinho dos anos 1990 você só ouvia falar dessas comunidades em programas policiais, sempre associadas à violência. Essa virada de mesa veio com a cultura. Essas comunidades passaram a ser reconhecidas como berços de cultura. E não só isso, mas aparecendo nacionalmente na televisão. A MTV foi para Peixinhos e Alto do Zé do Pinho, a Band também foi, e a comunidade começou a ver.

Você citou esse episódio da Assembleia Legislativa de Pernambuco celebrando os 30 anos dos Devotos e eu digo para o Canibal (vocalista e fundador da banda) que ele é um líder comunitário nato. Ele não precisa ser eleito pela comunidade. Ele já é um cara que leva o nome da comunidade para o Brasil inteiro. Cara, o Brasil conheceu Peixinhos e o Alto Zé do Pinho por causa da música. E aí traçando esse paralelo com Santa Catarina eu vejo um momento da gente se juntar. Nesse momento político adverso do país é um momento para a gente resistir, para a gente produzir, justamente em um momento com mais festivais nesse país. Eu venho de uma geração que tinha essas bandas que eu citei, especialmente o Chico Science e Nação Zumbi, que não gozava nem de um calendário e muito menos de um circuito de festivais independentes no Brasil. Hoje temos um calendário e um circuito de festivais em todo o país.

Foto: Jorge Scherer

*Marcos Espíndola é jornalista, foi titular da Contracapa, no Diário Catarinense, e é uma das grandes inspirações para a criação do Rifferama

Nasci em Blumenau, mas fui criado em Biguaçu, cidade em que vivi até os 28 anos: hoje moro em São José. Sou jornalista, me formei na Estácio de Sá e trabalhei no jornal Notícias do Dia, a minha casa entre 2009 e 2016, entre indas e vindas. Escrevia sobre esportes no impresso, mas sou apaixonado por música, a melhor invenção do homem.

Um comentário

  1. Bom demais o texto e a entrevista! Oportunidade fantástica ter esse feedback!

DEIXE UM COMENTÁRIO.

Your email address will not be published. Required fields are marked *