montagem-2

Os melhores discos lançados em Santa Catarina em 2016

Fazer listas é algo que (quase) todo fã de música gosta – se não elaborar a própria, criticar a dos outros. Em 2013, a convite do Ricardo Seelig, da Collectors Room, o Rifferama escolheu os melhores lançamentos daquele ano, a maioria internacional. Para provar que 2016 foi um grande ano para a produção de Santa Catarina, o blog preparou um apanhado do que melhor saiu por essas bandas. Grandes discos não entraram, como o álbum de estreia d’O Exótico Quark Encanto, mas não é possível agradar a todos, não é mesmo? 


Capa: Rodrigo Poeta

Rodrigo Poeta

Alujazz – Alujazz 

Alexandre Damaria, André FM e Rodrigo Campos dão vida ao som da Alujazz. Eles tocaram, juntos, mais de 30 instrumentos de percussão no álbum de estreia desse supergrupo, que conta ainda com Maycon de Souza (sax), Rafael Calegari (baixo) e Leandro Fortes (guitarra). A música africana é o norte. Difícil é ficar parado ou não sorrir ao ouvir músicas como a forrozeira “Ligeirinha”, que me lembrou Sambanzo, e “Muleke”, com solos de muito bom gosto de Souza e Fortes. “Alujazz” foi gravado por meio do Funcultural e Edital Elisabete Anderle. 


Capa: Gabriel Schlickmann R. Cardoso

Gabriel Schlickmann

Carinae – De cor dourada 

Apesar de ter lançado o primeiro álbum neste ano, a Carinae foi formada em 2009, por Yulle Ulguim (baixo e vocal) e os irmãos Otavio (guitarra e voz) e Gabriel Schlickmann R. Cardoso (bateria e voz). A sonoridade do trio pode ser descrita como uma mescla do rock alternativo com influência da MPB. “De cor dourada”, gravado no Aerotullio Sound Distillery, é simples e bonito, com destaque para os vocais: Yulle divide a tarefa com Otavio e Gabriel, criando belas melodias. Revelação do ano.


Hugo Rubilar

Hugo Rubilar

Dazaranha – Afinar as rezas 

“Afinar as rezas”, sexto disco do Dazaranha, foi lançado em setembro cercado de muita expectativa. Como soaria a banda sem Gazu, o vocalista nos últimos 25 anos? O lado romântico do guitarrista Chico Martins prevalece nesse álbum, que, apesar de ter uma cara mais universal, resgata o que o Daza tem de melhor: a alegria. É egoísmo dos fãs exigir que eles reproduzam todo o misticismo e a loucura dos anos 1990. Sendo assim, músicas como “A noite chegou” e “Um pedacinho do céu” mostram uma banda que soube manter as raízes e também olhar para frente. Um trabalho bonito e digno da trajetória do Dazaranha.


Antonio Rossa

Antonio Rossa

Felipe Coelho Trio – Hora certa 

“Hora certa”, quinto trabalho autoral do violonista Felipe Coelho, é um registro ao vivo (e sem retoques) de uma apresentação no Teatro Álvaro de Carvalho. Gravado em março, ao lado de outros dois grandes músicos – Tie Pereira (baixo) e Richard Montano (bateria) – da cena instrumental de Florianópolis. Além de composições inéditas, o trio faz uma releitura para “Mosaico”, presente no álbum “Musadiversa”, de 2011. No disco mais jazzístico da carreira, Coelho comprova ser um dos maiores nomes do violão brasileiro na atualidade.


Tina Merz

François Muleka com Jean Boca – O limbo da cor 

Sempre que ouço o François Muleka questiono do motivo de ele não ser conhecido em todo o Brasil. Adepto das parcerias, o compositor debutou em disco com o trio Karibu (2012), capitaneado pelo baixista Trovão Rocha, que também tocou e fez a direção musical do seu álbum solo, “Feijão e sonho”, de 2014. Neste ano, François se juntou ao percussionista Jean Boca, de Jaraguá do Sul, para lançar “O limbo da cor”. “Rálido ser tão” e “Quilombo” estão entre as músicas mais belas gravadas por esse artista raro. Sorte a nossa tê-lo por aqui. 


Paulo Genovez

Paulo Genovez

Nebula Dogs – Elliottii 

O vocalista e guitarrista Kauê Werner já estava morando em Munique (ALE) quando o segundo álbum da Nebula Dogs, “Elliottii”, foi lançado – em setembro. Produzido pela própria banda e mixado/masterizado por Júlio Miotto (Cobalt Blue), o disco é uma aula de psicodelia. Influenciado pelos sons dos anos 70, como Pink Floyd, e referências mais modernas, o grupo embarca o ouvinte em uma viagem repleta de sintetizadores e no estilo dream pop, ainda melhor que a estreia, com “Liquid Dreams”, em 2014. Uma pena terem se separado. 


METON

METON

Ponto Nulo no Céu – Pintando quadros do invisível 

Único remanescente da formação original, o vocalista Dijjy Rodriguez aproveitou o hiato da Ponto Nulo no Céu para aprofundar o seu discurso social. A decisão de ter apenas um guitarrista (Felipe Taboada) mudou drasticamente o som do grupo. A PNNC agora soa moderna, pesada e com muito groove, fruto do entrosamento de Fau (baixo) e Lucas Taboada (bateria e voz). Ainda assim, a banda conseguiu soar mais acessível em “Pintando quadros do invisível”, que conta com participações de membros da E20, Medulla, Project 46 e Orquestra Manancial da Alvorada.


Tran Nguyen

Tran Nguyen

Ricardo Ravel – Santo coração 

Chamar “Santo coração” de obra-prima não é exagero. O compositor Ricardo Ravel se cercou dos melhores músicos e parceiros que tinha à disposição para gravar um álbum de primeira grandeza. Rock, jazz, pop, flamenco, música brasileira e erudita, tudo no mesmo bolo e sem perder a qualidade. O disco não só provoca a catarse em quem o ouve, mas soa também como um processo de purificação do artista. As letras são tocantes e a trinca “Âncora d’Alma”, “Mar Negro” e “Temporal” é preciosa. O melhor de 2016.


Marcos Ribas

Marcos Ribas

Scarlett – Scarlett 

Com seu vozeirão e talento nas seis cordas, Nicolas Fresard desponta como um dos grandes nomes do rock catarinense. Acompanhado de uma cozinha poderosa, com Fernando Mafra (baixo, ex-Shadow of Sadness) e Cliff Macnamara (bateria), o trio lançou o seu primeiro trabalho autoral neste ano. São oito faixas, metade delas em português. E são estas canções que mais chamam a atenção no álbum. “Nuvem” e “Filho da Luz” têm passagens instrumentais de tirar o fôlego e letras que remetem à fase “Tudo foi feito pelo sol”, dos Mutantes, e ao Som Nosso de Cada Dia. Discaço. 


Felipe Oliveira Gall

Felipe Oliveira Gall

Space Chicken & the Eggs of Disaster – The Transcendental Object of the End of Time 

O guitarrista Felipe Oliveira Gall, o Frango, se distanciou do som “redondinho” do primeiro EP, “Lucidity, de 2014, para homenagear Terence McKenna. Dividido em duas partes, “The Transcendental Object of the End of Time”, costurado pelas falas do escritor norte-americano, mergulha de cabeça nas alucinações do bruxo. As músicas estão mais pesadas e têm diversas passagens emocionantes, como “Invisible Landscape” e “Death by Astonishment”. Há tempos não ouvia um álbum instrumental de guitarra tão criativo e interessante.


Nasci em Blumenau, mas fui criado em Biguaçu, cidade em que vivi até os 28 anos: hoje moro em São José. Sou jornalista, me formei na Estácio de Sá e trabalhei no jornal Notícias do Dia, a minha casa entre 2009 e 2016, entre indas e vindas. Escrevia sobre esportes no impresso, mas sou apaixonado por música, a melhor invenção do homem.

Um comentário

DEIXE UM COMENTÁRIO.

Your email address will not be published. Required fields are marked *