Helloween - Arena Petry - 28-09-2019 - Eduardo Valente -8227

Arena Petry muda patamar de SC com Helloween e Scorpions

Fotos por Eduardo Valente, especial para o Rifferama

O dia 28 de setembro entrou para a história de Santa Catarina. Patinho feio do Sul do país no quesito shows internacionais, ainda que a situação tenha melhorado nos últimos anos, o estado recebeu no último sábado duas das maiores bandas de rock/metal de todos os tempos: Helloween e Scorpions. E coube à Arena Petry (único local possível) abrigar essa noite mais que especial. Anunciado em maio, o evento superou todas as expectativas – bom público, estrutura incrível e ótimos shows.

A escolha pelo Helloween para substituir o Megadeth (Dave Mustaine está com câncer na garganta) foi mais que acertada pela produtora Hits Entretenimento. Com um repertório curto, mas recheado de clássicos, o grupo, que está em turnê mundial desde 2017 com os vocalistas Kai Hansen (1982/1988) e Michael Kiske (1986/1993), surpreendeu grande parte do público que foi à Arena Petry para assistir o Scorpions. Com três guitarristas no palco, os criadores do metal melódico deixaram um gostinho de quero mais.

Os problemas entre os integrantes parecem mesmo ter ficado no passado. Michael Kiske e Andi Deris, que está na banda desde 1994, pareciam melhores amigos – dividiram o microfone na maioria das músicas. Da abertura com “I’m Alive” ao encerramento com “I Want Out”, o Helloween, regido pelo guitarrista Michael Weikath, fez um show antológico. A alegria que os integrantes transmitiram aos fãs e a execução perfeita foram os pontos altos da noite.

O Scorpions subiu ao palco com o jogo ganho, mas com a responsabilidade de superar a apresentação bombástica do Helloween. Logo de cara ficou evidente que a entrada de Mikkey Dee (ex-King Diamond e Motörhead) trouxe vigor para a banda. O sueco espanca a bateria e fez não um, mas dois solos. Essa parte do show, que geralmente é cansativa, roubou a cena. Suspenso no ar por correntes, Dee sentou a mão no instrumento e perguntou se o público queria mais. Ovacionado, mandou ver. Monstro.

O setlist agradou quem conhece os maiores hits – teve “Wind of Change”, “Still Loving You” e “Rock You Like a Hurricane”, claro. Destaque para o medley com canções dos anos 70 como “Steamrock Fever” e “Catch Your Train” e uma bela versão acústica para a balada “Send Me an Angel”. Aos 71 anos, o vocalista Klaus Meine segurou a onda com classe e Rudolf Schenker e Matthias Jabs fritaram as suas guitarras até dizer chega. A produção de palco, com diversas animações nos telões, foi impecável.

A grandeza da casa certamente surpreendeu quem, como eu, ainda não conhecia o espaço. Banheiros e bares por todos os cantos, evitando filas mesmo com as oito mil pessoas presentes, diversos ambientes (pista, camarotes, terraço e mezanino) e capacidade para 17,5 mil espectadores. Mas o diferencial são o palco e telões gigantes e toda a infraestrutura de som. A Arena Petry nos permite sonhar que Santa Catarina deixe de ser o zero da BR-101, como diria o outro. Que venham os grandes shows!

Setlist Helloween

I’m Alive
Dr. Stein
Eagle Fly Free
Perfect Gentleman
Ride the Sky
A Tale That Wasn’t Right
Power
How Many Tears
Future World
I Want Out

Setlist Scorpions

Going Out With a Bang
Make It Real
The Zoo
Coast to Coast
Top of the Bill/Steamrock Fever/Speedy’s Coming/Catch Your Train
We Built This House
Delicate Dance
Send Me na Angel
Wind of Change
Tease Me Please Me
Blackout
Big City Nights
Still Loving You
Rock You Like a Hurricane

Nasci em Blumenau, mas fui criado em Biguaçu, cidade em que vivi até os 28 anos: hoje moro em São José. Sou jornalista, me formei na Estácio de Sá e trabalhei no jornal Notícias do Dia, a minha casa entre 2009 e 2016, entre indas e vindas. Escrevia sobre esportes no impresso, mas sou apaixonado por música, a melhor invenção do homem.

DEIXE UM COMENTÁRIO.

Your email address will not be published. Required fields are marked *