capim-rifferama

Sensibilidade à flor da pele: álbum do Capim é uma obra-prima

O disco do Capim é algo tão bonito que nem sei por onde começar. Luminoso (voz, violão e composições) e Didi Maçaneiro (voz) começaram de forma tímida com o single “Minha oração”, lançado com clipe em dezembro de 2017. Encantadora, a música deixou o público na expectativa para o que a dupla apresentaria a seguir. Mais do que qualquer coisa, a troca entre os dois foi o que mais me chamou a atenção nesse trabalho – união que pode ser comprovada no vídeo, de uma sensibilidade ímpar.

Não à toa que o álbum, lançado no dia 18 de abril em todas as plataformas digitais, foi composto no bairro Paciência, em Brusque. Em 2018, o duo divulgou mais um single, “Por nós”, e abasteceu o canal do Youtube com alguns covers, uma versão em português para “A Sea of Roses”, de Kenneth Pattengale, (o vídeo entrou para a lista de melhores do ano do Rifferama), além de “Da espera”, parceria com o letrista Bruno Kohl. O trabalho de estreia foi preparado com todo o cuidado que uma obra como essa merece.

“Capim”, gravado em São Paulo e produzido por André Whoong nos estúdios Casa Rosa Flamingo e Rootsan, marca o amadurecimento de Luminoso como compositor. Quem conhece as baladas românticas “Morena na janela” ou “Almoço”, músicas do trabalho solo do Calinho, percebe a evolução. Interpretadas por duas vozes que se complementam, as belas melodias e letras saídas do fundo da alma geram uma extrema sensação de alegria e conforto.

O primeiro disco do Capim celebra as belezas do Vale do Itajaí. As participações especiais trouxeram requinte ao som interiorano da dupla que, com o perdão do trocadilho, tem cheiro de mato. O premiado Bruno Moritz toca acordeon e teclados em duas faixas, enquanto Braion Johnny, da Brass Groove Brasil, gravou os metais. O músico Bemti, com o seu vozeirão e a viola caipira, rouba a cena em “Rua 140”, a minha preferida desse trabalho, que merece ganhar o país. E ainda tem um quarteto de cordas na delicada “À procura de mim”.

Me enche de orgulho em saber que o Expresso Rural é a principal influência do Capim – a dupla, inclusive, já gravou e fez show com Volnei Varaschin, ex-integrante do grupo. Mas Luminoso e Didi foram além. Pegaram a fórmula e a modernizaram, superando os mestres. “Capim” é uma obra-prima, o álbum que há muito esperava ser lançado por aqui. Se alguém me perguntar o que é música catarinense, respondo sem pestanejar: Ouça Capim. Estamos muito bem representados. 

Foto: Diego Cavichiolli

Nasci em Blumenau, mas fui criado em Biguaçu, cidade em que vivi até os 28 anos: hoje moro em São José. Sou jornalista, me formei na Estácio de Sá e trabalhei no jornal Notícias do Dia, a minha casa entre 2009 e 2016, entre indas e vindas. Escrevia sobre esportes no impresso, mas sou apaixonado por música, a melhor invenção do homem.

5 Comentários

  1. Ótima resenha, estou ouvindo o álbum e me deliciando.

  2. É primoroso!
    Viva a música...

  3. Muito bacana !!
    Sucesso pros meninos do Capim sempre !!

  4. Que resenha maravilhosa... e com esse elenco na produção do CD, ouvir é só uma questão de deleite... Parabéns e sucesso! É redentor ver a música catarinense bem representada, na música e na comunicação.

  5. Linda resenha. Vamos ouvir!

DEIXE UM COMENTÁRIO.

Your email address will not be published. Required fields are marked *